Atenção!

Este portal não está homologado para o seu navegador, portando, erros poderão ocorrer.
Para evitar falhas utilize: Internet Explorer 7, Mozilla Firefox 3, Google Chrome 2, Apple Safari 5 ou versões superiores.

X Fechar

Notícias

Em destaquePara "Top 5", inflação de 2015 será ainda maior

Aumentar Fonte Diminuir Fonte Fonte Normal
 

Veículo: Brasil Econômico - Página: Capa/9 - Autor: Não assinada
Data: 12/08/2014


INFLAÇÃO As cinco instituições que mais acertam suas previsões discordam do otimismo do Banco Central e veem IPCA maior no ano que vem. As fontes de pressão serão os preços administrados, como o da energia, e a desvalorização do real. P9 Ao contrário das projeções oficiais, as instituições que mais acertamprevisões avaliam que preços administrados e câmbio vão pressionar IPCA para 6,47%no ano que vem Na contramão do que projeta o Banco Central, as cinco instituições financeiras que mais acertamprevisõesdemédioprazo apuradaspela pesquisaFocus,doBanco Central, preveem para 2015 uma inflação mais elevada que a deste ano.

Impactos mais fortes do aumento dos preços administrados e da taxa de câmbio são os dois principais fatores que levam os economistas destas empresas a trabalharem com um cenário inflacionáriopior.

Paraogrupo, chamado de “Top-5” demédio prazo na pesquisa (que reúne as expectativasdomercado paradiversos indicadores econômicos), na média, a inflação ficará em 6,32 % em2014, e 6,47% em2015. Especialistas que acompanhamde perto as projeções apontam que emgeral, o grupo domédioprazo émais certeironas apostas paraumanoà frentequeoagregado domercado. Talvez por isso, o que se viu no Boletim Focus divulgado ontem pelo BC foi uma aproximação da média em direção à elite: agora, o mercado de maneira geral trabalha comestabilidade e não queda para o IPCA: ele ficaria em6,26% (ante 6,39% há uma semana) em 2014 e em 6,25% em 2015.

Na gangorra das previsões, caiu a estimativa para este ano,mas a de 2015 moveu-se apenasmarginalmente, de 6,24% para 6,25%. Já o Banco Central trabalha comuma previsão de desaceleração: IPCA de 6,4% neste ano e de 5,7% no próximo, de acordo com o Boletim de Inflação, divulgado emjunho.Na última semana,o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton de Araújo, reafirmou a expectativa do BC na na trajetória de queda do IPCA, mesmo em um cenário emque o real sofra uma desvalorização maior frente ao dólar nos próximosmeses.

“Em um dos cenários que trabalhamos, está contemplada alguma depreciação cambial e ainda assim teríamos recuonaprojeçãode inflação ao longo do tempo”, afirmou ele ementrevista na quinta-feira 7. Stephan Kautz, economistachefe da Neo Gestão de Recursos, que ocupa a primeira colocação na lista dos cincomelhores, informa que trabalha comum IPCA de 6,15%para este anoeuma levepiora para 2015: 6,30%.

“Há uma pressão de alta dos preços regulados, emespecial da energia elétrica, que nos faz avaliar que a inflação continuará alta no próximo ano”, diz ele. “Muda a composição do índice,masnãomuda o seu patamar”, diz ele. A Neo trabalha com uma desvalorização do real frente ao dólar de 10% ao longo de 2015,pelomenos.Nocasodospreços sujeitos correções pré-estabelecidas em contrato ou controlados pelo governo, como luz, combustível e tarifas de transporte, a Neo Investimentos projeta 7,2%. Cristiano Oliveira, economista do Banco Fibra, que ocupa o quarto lugar na lista dos cinco melhores, tambémvênos preços administrados uma ameaça, ainda que a recomposição de tarifas, represadas pelo governo para conter a inflação, seja realizada ao longo de dois anos.

No caso, a elevação projetada é de 8,5%. “A queda dos preços livres, emnossa avaliação, não será suficiente para compensar o peso das correções dos preços administrados e a desvalorização do câmbio”, diz. “Nomédio prazo,vemos umcomportamentobemmenosbenigno para o IPCA, principalmente por conta da aceleração dos preços administrados. Estimamos que se asprincipais defasagens dos preços administrados fossem zeradas hoje, o IPCA seria 1,2 ponto percentualmaisalto. AconvergênciadoIPCAparaocentrodametaéumdesafio à frente”, afirma Oliveira. Para ele, o preçoda energia elétrica não será o único a pesar. “Prevemos correções importantes (de 10% em 2015) nas tarifas de transporte urbanos nas principais capitais brasileira, entre elas São Paulo, que há dois anos não faz correções”, explica, lembrando que a capital paulista tem um peso importante no IPCA.

Oliveira prevê para este ano IPCA de 6,3% e de 6,5% para 2015. AocontráriodostopFiveanteriores, Felipe Carvalho, sócio e economistaresponsávelpelasprojeçõesda Absolute Investimentos,na segunda colocação no grupo, trabalha com uma trajetória alinhada à do BC: 6,4%paraesteanoe6%para2015.

Há pressão de alta dos preços regulados, em especial da energia elétrica, que nos faz avaliar que a inflação continuará alta em 2015.Muda a composição do índice, mas seu patamar, não” StephanKautz Economista-chefe da Neo Gestão Prevemos correções importantes (de 10% em2015) nas tarifas de transporte urbanos nas principais capitais brasileira, entre elas São Paulo, que há dois anos não faz correções” Areceita comvendas do Dia dos Pais cresceu 2,1%emcomparação comigual período do ano passado, segundo o Serasa Experian.

Pesquisa da instituiçãomostra, porém, que omovimento de clientes nas lojas, sábado e domingo, foi menor do que o observadoemigual período de 2013, com umrecuo nas vendas de 0,7%.Oresultado é atribuído às “adversidades do atual quadro conjuntural”. ABr Cristiano Oliveira Economista do Banco Fibra 


 
Voltar pra todos

Um curso que pode ser aplicado em várias áreas, independente do nível de conhecimento acadêmico.

Alan Marcos Meira e Silva Gerenciamento de Projetos
Ver todos depoimentos
Junte-se à IBS/FGV no facebook